Afrofuturismo é agora!

Aproveitei o movimento do Inktober (um movimento artístico virtual mundial que acontece em outubro) para voltar ao nanquim e ler, ouvir e entender melhor sobre o Afrofuturismo. Este tema já está rondando minha imaginação a bastante tempo e pretendo desenvolver projetos mais elaborados com ele, mas tudo no seu devido tempo.

O Afrofuturismo é um movimento artístico que une a cultura afrocêntrica com teorias e estudos conceituais sobre tecnologia, ficção científica e futurologia projetados na atualidade, algumas vezes, com um toque de fantasia também, tudo isso através de todas as mídias e formas de expressão possíveis. Esse manifesto artístico vem em forma de música, pintura, fotografia, moda, cinema, teatro… enfim, qualquer meio que possa dar voz e protagonismo as pessoas de pele preta que buscam pela identidade negra e sua própria perspectiva ao universo.

Basicamente, são os negros tomando o protagonismo de algo que a sociedade insiste em encaixar em um ponto cego e denominado exótico. Algo que pode ser estranho para alguns (principalmente para a branquitude) por se tratar de um visual extremamente incomum diante de todo o eurocentrismo presente na indústria pop, seja no cinema, livros, quadrinhos, moda ou na TV (e na sociedade como um todo também).

O termo foi cunhado em 1994 quando o “não negro escritor americano Mark Dery, cria essa definição para englobar toda essa estética artística futurista africana em seu ensaio de nome, “Black To The Future””, mas ele só categorizou um movimento que já existia desde a década de 70 na arte em geral. Entenda um pouco dessa questão neste ótimo texto de William Mumu Silva https://goo.gl/bVSKfZ

Como um caminho para estudar essas ideias, resolvi usar os Adinkras como um dos elementos de inspiração para essa série de ilustras com tinta nanquim. Uma das ideias foi criar uma espécie de “Sailor moon dos Adinkras” onde 5 garotas que estão relacionadas a 5 símbolos do ciclo baseado em corpos celestes.

Os Adinkras são símbolos que transmitem alguns valores do povo Akan (Ashanti), grupo cultural presente nos países da África do Oeste. Cada símbolo está associado a um provérbio específico ligado a um sistema de valores humanos universais: família, integridade, tolerância, harmonia e determinação.

OSRAM (A Lua)
“A Lua não tem pressa para dar a volta em torno do nosso mundo.” Osram é o símbolo da virtude, da utilidade e da necessidade de paciência.

NSOROMMA (Filha do céu)
“Cria do ser supremo, dependendo Dele e não de mim mesma. Minha luz é o reflexo Dele.”
Símbolo da fé, da lealdade e da honra de servir ao Ser supremo.

ASASE YE DURU (A terra é mais pesada que o ar)
Símbolo de orientação, da proteção divina e da sacralidade da Mãe Terra.

SESA WO SUBAN (Transformação da vida)
“Este símbolo combina 2 Adinkras: A estrela da manhã e o movimento independente. Assim, o símbolo fala da dialética, na dinâmica da vida, entre a influência dos fenômenos naturais e daqueles fabricados ou provocados pelo ser humano. “

OSRAM NE NSROMMA (A lua e a estrela)
“A estrela do norte ama profundamente o casamento. Ela está sempre no céu esperando a volta da lua, seu marido. Símbolo da fidelidade, do amor, da harmonia, do carinho, da lealdade, da benevolência e da essência feminina da vida.”

Depois segui a mesma linha de pensamento criando os “Power Rangers Afrofuturistas dos Adinkras”, 5 personagens relacionados a 5 símbolos do ciclo baseado em animais.

DWENINI MMEN (CarneiroSímbolo da humildade e da força da mente, do corpo e da alma.)
“O carneiro, ao atacar, não deve fazê-lo com os chifres e sim com o coração. A luta não pode se basear na arrogância.”

ODEKYEN (Crocodilo, símbolo da ética e da prudência)
“O crocodilo vive na água, mas ele respira ar e não água”

ANANSE NTONTAN (A teia da aranha)
“Símbolo da sabedoria, da esperteza, criatividade e da complexidade da vida.”

OWO FORO ADOBE (A cobra que sobre a palmeira ráfia)
“Símbolo da engenhosidade e da execução de uma façanha extraordinária, baseado na capacidade da cobra que, sem mãos ou pés, sobe a palmeira ráfia.”

OKODEE MMOWERE (As garras da águia)
“Símbolo da força, da coragem e do poder, baseado na natureza e no comportamento da águia.”

Acabei produzindo bem menos do que esperava, mas no fim das contas foi uma brincadeira bem divertida que espero ter mais tempo para explorar melhor em breve.

Acredito que existe um interesse crescente no tema Afrofuturismo e muitos dos negros estão buscando, descobrindo ou redescobrindo sua identidade e entendendo melhor diversas questões entorno do tema racial. Produzir e correr atrás de entender isso é algo fundamental para inspirar outros a seguir com essa ideia.

Espero poder contribuir minimamente para que o movimento negro se fortaleça cada vez mais não somente dentro da cultura pop, mas da cultura em geral para que essas feridas que temos em nossas histórias (até hoje) se fechem.

Até mais!